Nunca viajei para fora, e agora? Part I

A primeira coisa é respirar e fazer uma listinha de coisas que você realmente precisa saber. Tentei compilar os mais importantes para você nunca ter dúvidas e viajar tranquilamente.


Os básicos dos básicos

Você não precisa ser fluente na língua local do seu destino, saber exatamente tudo antes de ir - até porque o mais legal é vivenciar e experimentar tudo lá mas, recomendamos que você saiba muito bem essas próximas dicas antes de você sair de casa. Por experiência própria, confia em mim!


Câmbio: Money Matters

Money matters...

Money matters...

O controle de custos é muito importante para você conseguir fazer tudo o que quiser sem passar sufoco.

Além disso, assim que você chegar no local - em qualquer lugar do mundo, pode acreditar - vai ter alguém tentando passar a perna com você em relação ao dinheiro. Seja na rua, na saída do aeroporto, dentro do aeroporto… Enfim, pode imaginar qualquer situação!

Entenda a moeda que você vai ter, saiba a cotação diária. Quando fui para o Uruguai e para o Chile foi um desastre. Não entendia as moedas e muito menos as conversões. Sabe aquela coisa que parece que você está rica só porque são tão diferentes do Real. Me perdia nas contas e nunca sabia a conversão diária. Como achava que esses dois países seriam bem mais baratos que o Brasil, me deixei levar e me arrependi. Quase terminei as duas viagens sem conseguir pegar um táxi de volta para o aeroporto, que tal?

Nunca troque o Real ou a moeda que você estiver levando para trocar dentro do aeroporto a não ser que seja emergência. Já vá com o dinheiro do táxi, Uber, ônibus, trem e para uma primeira refeição trocados anteriormente na sua cidade. Leve também um valor mínimo de emergência já trocados. Assim que você chegar no seu hotel, hostel, AirBnb ou qualquer outro lugar que você for se hospedar, procure na internet locais que outros turistas indicam que sejam perto de você para trocar.

Caso precise, pergunte para algum responsável da sua hospedagem. Não tenha vergonha! É melhor do que cair numa fria, certo? Mas, lembre-se: saiba exatamente da cotação antes de trocar.


Cartões de crédito e débito

Entenda as taxas de compras internacionais antes de viajar...

Entenda as taxas de compras internacionais antes de viajar...

Antes de viajar entenda exatamente todas as taxas de compras internacionais.

Vá até o banco, converse com o seu gerente, desbloqueie para compras internacionais e saiba como usar. Eu, por exemplo, hoje em dia não tenho mais cartão de crédito por opção pessoal.

Mas, quando tinha, o que eu sempre fazia é: compras em valores muitos altos (quase nunca tinha, mas…) eu deixava para comprar no cartão. Compras do dia-a-dia tudo em dinheiro vivo. Morria de medo das taxas (ainda morro) e fiquei nessa. Não sei se é o melhor conselho mas, como sou sincera em todos os meus posts, aqui está como eu fazia.


SEMPRE tenha dinheiro vivo

Cash is king.

Cash is king.

Não adianta. Dinheiro vivo é essencial e precisa ter.

Imagina você em um país desconhecido e dependendo somente de cartão? Vai que o caixa eletrônico não funciona, engole o seu cartão ou bloqueia sem mais nem menos? Isso aconteceu com uma amiga minha quando viajamos para Punta Del Este. Nada do cartão dela funcionar e ela tinha ido com pouquíssimo dinheiro. A sorte é que os pais dela conseguiram fazer uma transferência para o cartão de um outro amigo que sacou e deu o valor para ela. Mas isso foi pura sorte, acredite.

Dinheiro na mão é vendaval? Sim. Mas nesse caso é sobrevivência mesmo.


Como contar até 10

1, 2, 3, 4, 5, 7, 8, 9, 10 🙌

1, 2, 3, 4, 5, 7, 8, 9, 10 🙌


É sério! Aprenda a contar até dez na língua do seu destino e isso vai te ajudar - e muito! - a fazer negociações, entender os preços e até se defender.

Quando fui para Paris tive muita dificuldade de me comunicar com os franceses. Seja pela minha falta de “jogo de cintura” ou por má sorte.

Tive que mudar de hotel e fui negociar preço no que eu viria a me hospedar. Nessa história consegui diminuir bastante o preço do quarto - já que foi algo muito bom para o hotel já que eles estavam com quarto vazio e queriam vender e para mim foi incrível pelo super desconto. Melhor do que ficar mostrando os dedos e se confundindo e acabar caindo em algum esquema maldoso.


Como dizer “sim”, “não” e “obrigado”

Aprenda como dizer não...

Aprenda como dizer não...

O “sim” e “não” são essenciais para quase todas as situações em que você se encontrar.

Um dia fiquei impressionada com um grupo de turistas no Brasil que não sabiam falar isso e eu tive que ajudar. Eles estavam dentro de um restaurante e o garçom estava tentando entender se eles queriam mais molho ou não. Para você ver como é realmente necessário para as coisas básicas. E, lembrando, nem todas as nacionalidades são fãs dos movimentos gestuais como os brasileiros são. Muitas vezes um movimento que você faça com a mão queira dizer algo muito feio e você acaba pagando mico sem saber.

O “obrigado” já deveria ser mandatório mas, é sempre bom relembrar. Não deixe de aprender e, mesmo que você fale um “não” seguido de um “obrigado” você sempre será lembrado como o turista bem educado. Não custa nada, certo?


Sempre tenha um adaptador universal e cheque a voltagem

ingles nu e cru adaptador universal

Sempre

Tem um adaptador...

SEMPRE leve um ou dois adaptadores universal com você. Muito importante pois as tomadas são super diferentes e isso é uma compra que é para sempre.

Tudo meu é de tomada dos EUA e já fiquei na mão duas vezes sem adaptador. Agora sempre coloco primeiro na minha mala de mão para não ter erro de esquecer. Além disso, é sempre bom checar a voltagem do local. Por exemplo: caso você leve secador de cabelo é bom ver se é bivolt antes de levar para não estragar. Normalmente computadores e eletrônicos já são fabricados para se aceitarem todos os tipos de voltagens e frequências mas, lembre-se, uma boa pesquisa e saber exatamente o que está levando vale a pena.


Preocupe-se com o visto, faça e leve cópias de seus documentos

Making a list, checking it twice...

Making a list, checking it twice...

Vamos lá! Você escolheu o seu destino, certo? Sempre procure saber sobre que tipo de visto pede-se por lá. Organize-se, pesquise bastante na internet e veja se tem alguma taxa a ser paga. Entre com o pedido e fique tranquilo! Imagina só você chegando no aeroporto e tudo indo por água abaixo por falta de visto? E, mesmo assim, podem implicar com você na imigração. Caso você ainda não saiba o que aconteceu comigo quando fui para os EUA ano passado é só escutar aqui (vale a pena…). Ah, outra coisa que ajuda e muito é levar cópias de seu passaporte, documentação, reservas. Nunca ando sem. Caso você perca (já estou batendo na madeira!) fica muito mais fácil de você levar para o Consulado do Brasil e pedir para fazer outro. Você já tem todos os dados e está comprovado que você é você. Não custa nada e é só deixar dentro de uma pastinha que você tenha acesso para qualquer emergência. Deixe também cópias com alguém que você confie da sua cidade. Dessa forma você realmente consegue viajar sem problemas e descansado.

Meu pai por exemplo tem de tudo! CPF, RG, passaporte, carteira de motorista… Vai dizendo!


Muitas vezes o aeroporto de chegada é enorme!

Sim, pode ser que isso aconteça.

Aeroporto sempre te dá um frio no estômago e também te faz se perder pelas inúmeras lojas e restaurantes. Mas, quando o assunto é: tomar conta do relógio para você não perder vôo ou nenhuma conexão, aí o bicho pega!

Falo isso pois muitas pessoas compram as passagens por milhas e quase nunca é vôo direto. Isso pode complicar um pouco as coisas mas nada que um pouco de preparação não ajude. A minha dica é colocar os aeroportos no Google e dar aquela pesquisada. Entender o terminal que você irá chegar, qual terminal você terá que fazer conexão (se é nacional ou internacional). Além disso, pode ligar para a companhia aérea que você comprou as passagens para entender tudo sobre a sua mala despachada - se tem que pegar ela e refazer o despache (no caso de vôos com conexão) ou não. E o que eu mais indico é: quando fizer o check-in no aeroporto da sua cidade perguntar e-xa-ta-men-te o que você faz ou deixa de fazer no aeroporto do seu destino final ou no aeroporto que você terá que passar para chegar até o seu destino final.

Tenha certeza absoluta que você tem tempo de chegar e fazer todo o processo sem perder nenhum vôo.

Pode ler mais sobre a história do Alexia em Atlanta: 07 - ATLANTA AIRPORT: UMA MISTURA DE COMÉDIA E TERROR 

Melhor ainda, se quiser treinar seu inglês - pode escutar a história aqui: 


O que fazer com o seu celular

Tudo depende do seu plano atual.

inglês nu e cru nunca viajei e agora, celular

Tem pessoas que preferem ativar o roaming e outras preferem procurar um chip pré-pago. Mesmo que você tenha um plano pós-pago eu sou a favor de comprar um chip pré pago, colocar a quantidade de créditos necessários para os dias de viagem e abusar nos restaurantes, bares, coffee shops que tenham wi-fi. Convenhamos, você está viajando e é muito bom se desligar.

Tenha um chip pré-pago para urgências, procurar endereços no Google Maps e ter algum meio de comunicação. Mas deixar o celular no bolso é a melhor opção para realmente aproveitar o dia e olhar ao seu redor. Bom, para comprar um chip pré-pago, antes de viajar dê uma olhada no Google sobre as empresas que tem no país de destino. Descubra se você precisa fazer algum desbloqueio com o seu celular antes. Digo isso pois até Janeiro desse ano (2018) o Chile obrigava turistas que queriam obter um chip chileno a fazer uma homologação do celular - mandar e-mail com vários documentos como: nota fiscal, número de IMEI e etc. Quem não soubesse disso e chegasse no país durante essa época não poderia instalar imediatamente o chip e ficaria na mão. Então, tenha em mente a sempre duvidar e pesquisar antes.


Espero que eu tenha ajudado e tirado algumas dúvidas. Viajar é sempre uma delícia e fica melhor ainda com organização e preparação. Aproveite!