Aprender Inglês é um saco

A Lacuna

Em 2009, o apresentador do programa This American Life, Ira Glass, deu uma entrevista sobre a luta que é o processo criativo, que ele chama de "The Gap", ou "A Lacuna".

Apesar de já ter assistido muitos vídeos na internet em todos esses anos, "The Gap" ainda é o meu preferido quando estou precisando de um incentivo.

Por favor, para tudo que você estiver fazendo agora e preste atenção nisso. Vai fazer o seu dia.

 

A essência da mensagem de Ira Glass é bem simples: existe uma lacuna entre a nossa habilidade e as nossas ambições.

Todos nós sabemos onde gostaríamos de estar mas, temos a triste consciência de que ainda não chegamos lá. A única maneira de preencher a lacuna é trabalhar duro pelos nossos objetivos. Infelizmente, a maioria das pessoas desiste antes de fechar a lacuna e alcançar seus objetivos.

Embora ele esteja se referindo ao processo de narrativa, o conceito da lacuna pode ser aplicado a qualquer empreendimento que valha a pena. Ao adquirir uma habilidade, você, sem dúvidas, vai se sair mal por algum tempo. Esses estágios iniciais não vão ser nada agradáveis e a sua força de vontade será testada.

Onde você está X onde você quer chegar

Aprendendo a tocar violão

Aprendendo tocar o violão é um saco

Aprendendo tocar o violão é um saco

Os poucos que conseguem chegam a um momento decisivo. O momento decisivo é aquele dia glorioso, que você deixa de lado toda essa chatice e finalmente começa a tocar. Então, você pode tocar músicas, formar uma banda, improvisar, impressionar garotas... Você sabe, todos os motivos pelos quais você queria aprender a tocar violão.

Moral da história: aprender a tocar guitarra é péssimo, tocar guitarra é incrível.

Tocando o violão é foda

Entrando no jogo

Primeiro, você tem que aprender o básico do futebol. Você aprende a driblar, passar a bola, receber um passe e chutar. Essa parte não é nem um pouco divertida, porque você sabe que ainda não está jogando futebol. Você sabe que, se entrar em um jogo de verdade, você vai passar vergonha.

Se a música não é muito a sua praia, pense no futebol.

Mas com tempo e prática, você começa a jogar futebol. Você não está no nível do Neymar, por exemplo, pode se sair bem em um jogo no fim de semana com seus amigos.

De novo, o que nós queremos dizer é: aprender a jogar futebol é péssimo mas, jogar futebol é incrível.

Aprender inglês é um saco (no começo) 

A mesma coisa pode ser dita sobre aprender inglês. Dizer que o início da sua jornada no aprendizado de um novo idioma pode ser um pouco chato é um grande eufemismo.

Você não vai entender o que as pessoas estão dizendo nem elas à você. Você vai andar por aí ansioso, evitando contato visual. E quando você finalmente tiver coragem de iniciar uma conversa você vai: errar, tremer e gaguejar. Você vai se sentir frustrado, envergonhado e com o filme queimado.

Nesta fase, vai ser difícil fazer amigos falantes da Língua Inglesa. Sua incapacidade de se comunicar vai te deixar triste e desmotivado.

No entanto, se você é uma pessoa dedicada e corajosa, que está disposta a suportar alguns desconfortos, tem uma luz no fim do túnel para você.

Inglês nu e cru repitição não aprender (1).jpg

 

Depois dessa fase inicial péssima, aprender um novo idioma se torna uma das mais transformadoras e envolventes experiências da sua vida.

Nesta fase, você estará se comunicando com pessoas cujas culturas, valores e opiniões são diferentes das suas. Você literalmente irá reconstruir o seu cérebro, viver mais intensamente e se tornar uma pessoa melhor.

Assim que você alcança esse momento decisivo, um mundo completamente novo, que você nem sequer sabia que existia, se abre para você. É por isso que você entrou no jogo, em primeiro lugar.

O problema é que a maioria das pessoas que começam a aprender um novo idioma desistem antes de chegar nesta fase. Você deve conhecer muito bem essa história:

  1. Aluno: "Eu fiz curso de inglês durante muito tempo, mas não sou bom em inglês. Acho que isso não é para mim."

  2. Translation: Na verdade, o que a pessoa quer dizer com isso é: "Eu tentei por um tempo, mas não estava indo bem e estava achando muito chato." Moral da história

  3. Moral da história: Você quer chegar no seu momento decisivo o mais rápido possível!


Como memorizar seu roteiro e aprender inglês mais rápido

Pergunta difícil. Resposta simples. Memorização de roteiros.

É isso mesmo. Memorizar um roteiro. Lembrar suas falas. Fingir que consegue, até conseguir de verdade. Pode parecer bobo ou falso demais, mas funciona.

A maioria das primeiras conversas tendem a compartilhar muitas semelhanças, principalmente quando você acaba de conhecer pessoas de outra cultura, que falam uma língua diferente. Por isso, você pode antecipar o diálogo e preparar uma resposta com um roteiro.

Por exemplo, você está viajando para os Estados Unidos. Sem dúvidas, a maioria das suas interações vão ser parecidas com isso:

  • Qual é o seu nome? 
  • De onde você é? 
  • Por que você está aprendendo inglês? 
  • Quais são os seus hobbies? 
  • Você trabalha com o que? 
  • Você é formado em que? 
  • Me conte sobre os seus amigos, sua família, etc. 
  • O que está acontecendo naquela loucura que é a política do Brasil? 
  • O que você acha do Donald Trump?

E, claro, você também vai ouvir alguns comentários ridículos, como: 

  • Eu amo o Cristiano Ronaldo! 
  • Hablo um poco español! 
  • Tenho um primo que estudou em Buenos Aires!
  • Que cidade tem aquela estátua gigante de Jesus? 

or favor, perdoe a ignorância de meus compatriotas. Eu juro que a maioria de nós somos pessoas legais. Nós só temos que lidar com alguns problemas com a geografia e o nosso narcisismo

Vantagens da memorização de roteiros


1. Sua autoconfiança irá melhorar drasticamente

Nada melhor para acabar com a sua autoestima do que não saber se expressar em uma conversa simples. Naturalmente, você vai se sentir envergonhado e desmotivado para prosseguir com novas conversas.

Por outro lado, ter uma conversa bem sucedida com um falante nativo de tá uma enorme sensação de segurança. Um falante nativo entendeu o que você disse e você quer tentar novamente. Isso te encoraja a conversar mais e a lacuna começa a se fechar. Começa um ciclo de reforço positivo e você alcança o the Tipping Point em tempo recorde!


2. Você vai ter algo a dizer

Iniciantes muitas vezes ficam sem palavras quando tentam se comunicar no idioma que estão aprendendo. A maioria dos brasileiros atribui esse problema à falta de vocabulário. A verdade é que a razão pela qual você não sabe o que dizer no início é porque tem medo de fazer papel de trouxa na frente dos falantes nativos. Você sabe que isso é verdade.

Com um bom roteiro, você sempre vai ter algo a dizer. Talvez não seja a melhor conversa do mundo, mas você está se esforçando. Às vezes, eu estou cansado e não estou com vontade de falar no idioma que estou aprendendo. Com um roteiro sei que tenho uma rede de segurança automática com a qual posso recorrer a qualquer momento caso eu não esteja tão afiado.


3. Suas habilidades linguísticas vão evoluir

A memorização de roteiros pode e deve ser aplicada em todos os estágios do aprendizado de um novo idioma. Você pode criar um roteiro para qualquer coisa.

  • Não sabe como falar da política brasileira? Crie um roteiro!
  • Precisa se preparar para uma entrevista de emprego? Treine suas falas.
  • Com vergonha de pedir uma cerveja em um restaurante? You get the point.

No começo, os roteiros são usados como um guia para manter a conversa fluindo. Conforme você vai progredindo, começa uma espécie de efeito bola de neve. Novos roteiros começam a surgir e você pode improvisar, pegando uma parte de um roteiro e combinando com outro. Com o tempo, sua habilidade de conversação vai se tornando mais espontânea e sofisticada.


4. Vai aprender inglês mais naturalmente

Iniciantes normalmente ficam presos nas minúcias das nuances gramaticais. Todos os dias pelo menos um aluno vem me perguntar sobre um ponto de gramática que até eu - sendo falante nativo - tenho dificuldades de articular. Veja o que acontece em um típico dia de aula:

EU: Hey! How have you been?

ALUNO: Esse é o presente perfeito? Eu preciso melhorar em presente perfeito. Você pode explicar a gramática dessa frase para mim?

EU: Ok. Vamos lá. Então, tecnicamente, esta frase é um exemplo do que chamamos de Presente Perfeito Continuo. Que é parecido, mas é um pouco diferente. 

A palavra "como" é um pronome interrogativo, você pode pensar nela como uma "palavra de pergunta".

"Ter" é um verbo que geralmente é mais associado à posse ou propriedade. Mas, nesse caso, e em muitos outros, ele significa algo completamente diferente.

"Você" é um pronome que atribuímos a outra pessoa quando falamos diretamente com alguém, ou às vezes usamos para nos dirigir a um grupo de pessoas em geral.

"Estado" é o particípio passado da palavra "estar", que, como você sabe, tem muitos significados em inglês. Te ajudou?

ALUNO: Yes. So I should respond with "I have a good been"? (Sim. Então eu tenho que responder "Eu tenho bom estado"? 

EU: SMDH (Shaking My Damn Head)

ALUNO: Thanks!

Eu depois de explicar o presente perfeito.

Eu depois de explicar o presente perfeito.

sse método é de ineficiente para baixo. A gramática não passa de um conjunto de regras que atribuímos a um idioma para tentar explicar por que falamos da maneira que falamos.

A memorização de roteiros te ajuda a internalizar esses padrões sem tem que entender aquelas regras linguísticas complicadas que estão por trás deles. Se você repetir "Have have you been" ("Você já esteve") o suficiente, você vai saber por intuição o que significa, como estruturar e manipular a frase o quanto for necessário.


5. Você vai fazer amigos

O motivo pelo qual aprendemos novos idiomas é nos conectar com outros seres humanos. É difícil iniciar conversas e conhecer pessoas quando você não se sente confiante com suas habilidades de fala. Imagine conhecer alguém em uma aula de Yoga e essa pessoa disser: 

"Halo, me nam-ee Paulo, I leev-ing Brah-seeu. Yoga very good, no?" 

Nada contra o Paulo, ele provavelmente é um cara legal. Mas é provável que os americanos não queiram se esforçar para estabelecer uma conexão real com ele. Agora, vamos imaginar que o Rafa tenha o seu roteiro perfeitamente memorizado. 

"Hey! What's going on? My name is Paulo and I'm from Brazil. I'm here in the states to study English. How long have you been practicing yoga?" 

Agora você sabe que o Paulo é um cara legal. Você está encantado com o interesse dele pelo seu país e pela sua cultura. Agora, você está muito mais disposto a iniciar uma conversa e, quem sabe, ter uma amizade com ele. 


Como fazer seu roteiro

1) Escrever: Faça uma lista de perguntas e respostas simples que são mais prováveis de aparecerem em uma determinada situação.

2) Traduzir: Peça para um falante nativo traduzir o seu roteiro e gravá-lo para você. 

3) Decorar: Use um programa de edição de áudio para quebrar o seu roteiro em pequenas partes mais fáceis de digerir.

4) Gravar: Agora que você sabe seu roteiro, grave-se mil vezes até todo está perfeito e pode falar sem vergonha. 


É um processo cansativo, eu sei, mas funciona. Se você não tem o tempo ou motivação para fazer essa loucura, que tal inscrever-se em um curso personalizado que fará todas essas coisas para você?